Dois bandidos são mortos em intenso tiroteio com policiais militares


28 de julho de 2011 - 18:12


Promova essa matéria: Orkut Share Promova Facebook Share Compartilhe Retweet Buttom Dihitt



Da Redação

Dois bandidos foram mortos em confronto com a Polícia Militar, nesta quinta-feira, 28, em Luís Eduardo Magalhães. Os bandidos haviam acabado de assaltar a Casa do Marceneiro, no bairro Jardim Imperial. Seis viaturas da Polícia Militar – três da Cipe-Cerrado e três da 5ª Companhia participaram da perseguição, que culminou na invasão de uma casa no Mimoso 2, onde os bandidos fizeram de refém uma moradora. Eles tentaram fugir em direção à FAAHF e foram alvejados por policiais militares após intensa troca de tiros; um carro da 5ª Companhia foi acertado pelas balas dos criminosos.
Cerca de 30 homens da PM participaram da operação, que incluiu perseguição ao carro utilizado pelos bandidos, um Fox prata placa NIH 5593, roubado da gerente da loja Maria dos Santos. A perseguição foi feita em vários bairros da cidade, incluindo Jardim Paraíso, Centro, Mimoso 1 e Mimoso 2.
A perseguição policial movimentou a cidade. Quando os corpos dos bandidos chegaram ao centro de saúde Gileno de Sá, havia grande quantidade de pessoas à espera de informações sobre os mortos, incluindo interessados em ver os corpos.
Durante a perseguição, os bandidos bateram o carro usado na fuga em um Gol branco placa NYH 0026, de Feira de Santanta, que estava estacionado na rua Paraíba. O dono do veículo, Marcelo Souza Santos disse que foi atender a um cliente numa farmácia e só escutou o barulho da batida. “Eles passaram por cima da calçada e para desviar de uma árvore acabaram batendo no meu carro”. O veículo teve a lateral esquerda danificada.
Segundo informações dos policiais, os bandidos chegaram a ser socorridos com vida, mas não resistiram aos ferimentos. Um deles apresentava perfurações de bala na região esquerda do ombro e na altura do coração. Um deles é Ramirez dos Reis Silva, o Ratto, um dos suspeitos do atentado a policiais militares no Posto Fiscal da Secretaria da Fazenda de Rosário, em Correntina, dia 18 de julho. O outro não teve a identidade confirmada. Ele portava era a carteria de motorista  de Ledim Teixeira Ribeiro, funcionário da Casa do Marceneiro que teve o documento levando durante o assalto.

Os próprios policiais que participaram da ação revistaram os mortos e encontraram no bolso do bandido não identificado  uma cartucheira, um pen drive e carteira com documentos, entre os quais a habilitação. Nos bolsos de Ramirez dos Reis Silva havia várias balas calibre 9 mm, um saco plástico azul vazio e dinheiro.
Segundo informações de testemunhas do assalto à Casa do Marceneiro, os bandidos eram bastante violentos e chegaram a agredir alguns funcionários. Eles tiveram dinheiro e celulares roubados e foram obrigados a carregar um cofre para o Fox de uma funcionária da loja.

Vítimas. Na Delegacia de Polícia, funcionários e clientes da Casa do Marceneiro, que estavam na loja no momento do assalto, prestaram queixa no final da tarde. O empresário Eliton Silva conta que aguardava para ser atendido no balcão da loja, quando um dos assaltantes chegou ao seu lado e anunciou o assalto. “Ele apontou a arma para um dos funcionários e disse para ninguém se mexer, que não ia acontecer nada se fosse feito o que ele mandasse”.
Segundo Silva, primeiramente os funcionários e clientes tiveram que encostar as mãos na parede enquanto os bandidos revistavam os bolsos à procura de aparelhos de telefone celular e dinheiro. “Um dos assaltantes até ironizou, dizendo que precisava pegar os celulares porque havia o risco de alguém ligar para um de nós”.
Depois, as vítimas foram levadas para um depósito da loja. Como o espaço era restrito, os ladrões ordenaram que funcionários e clientes fossem até a sala da gerência. “Eles nos trancaram lá e só saímos quando percebemos que os assaltantes fugiram. Quando abrimos a porta, vimos os policiais do lado de fora da loja”, disse Silva. Ele afirma ter visto três dos quatro assaltantes.
Já o agricultor Cézar Agostinho Lazzari e sua esposa Juraci Fátima Lazzari foram surpreendidos quando estavam do lado de fora do estabelecimento comercial. O casal contou que estranhou chegar à loja e ver a porta principal fechada. “Eu até comentei com minha mulher que a loja deveria estar em reforma. Resolvi entrar pelo acesso dos fundos”, disse Cézar. Ao chegar no estacionamento, os dois notaram a estranha movimentação dentro do estabelecimento. O agricultor desceu do carro e, ao chegar à loja, foi rendido por um dos ladrões. Um outro assaltante foi até o estacionamento e exigiu que Juraci também desembarcasse do véiculo. Cezar foi agredido nas costas e na nuca com o cano do revólver de um dos assaltantes.

Nota de apoio

O presidente do Conselho Comunitário de Apoio à Segurança Pública de Luis Eduardo Magalhães (Conseg-Lem), Julio Mattos, emitiu nota na sexta-feira, 29, sobre a ação das Polícias Militar, Cipe-Cerrado e Civil no enfrentamento aos assaltantes que invadiram a loja Casa do Marceneiro, na tarde de quinta-feira, 28. Diz o documento:
“A Sociedade Civil Organizada de Luís Eduardo Magalhães, através do Conselho Comunitário de Apoio à Segurança Pública, lamenta profundamente o resultado do enfrentamento ocorrido entre dois infratores da lei e as Forças de Segurança que atuam em nosso Município e que resultou em óbito dos indivíduos que ousaram quebrar o pacto de paz social.
Por outro, manifestamos nosso contentamento com o preparo técnico das Forças de Segurança que, ao eliminar os infratores, conseguiu proteger a vida de cidadãos e cidadãs de bem.
O Conselho de Segurança apoia e sempre apoiará todas as iniciativas das Forças de Segurança que visem garantir uma sociedade mais livre e fraterna.
Aproveitamos para externar nossos sentimentos às famílias que perderam seus entes queridos”.


Matérias relacionadas: